Archive for setembro \09\UTC 2007

Os nossos demônios

09/09/2007

A leitura de Os Demônios, clássico de F. Dostoiévski, me fez pensar sobre a alcagüetagem na política. Procedimento muito utilizado no Estado Novo, quando a simples qualidade de opositor assumia ares de comunismo, foi refinado nos anos da ditadura militar. Talvez o exemplo mais cabal seja o Cabo Anselmo. Esta prática contribuiu para dizimar a oposição aos ditadores.

Este clima perdurou nos anos 1980. Naquela época fui entrevistar, num imponente edifício no centro da capital paulista, um alto membro do Partido Comunista. Ele recebeu-me com desconfiança. Questionou porque estava com o livro do imperialista Foster Dulles (Anarquistas e comunistas no Brasil) e como poderia garantir que eu não fosse da polícia. Respondi que esta já estava bem abastada de informações. Argumentei que o desconhecimento favorece o clima anticomunista da caça às bruxas. E, pensei, ele deveria ser inteligente o bastante para falar apenas o que considerasse oportuno. A entrevista foi realizada.

Esta atitude é compreensiva. Vivíamos um tempo onde a insegurança política ainda era intensa. Minha pesquisa, que resultou no livro História das Tendências no Brasil, ainda era tabu. Era uma época onde a delação como arma política assumia a forma de rótulos (afirmar pelos bastidores que tal pessoa pertencia a tal organização política poderia destruí-lo politicamente). Ocorria a espionagem pelos próprios companheiros que, em eventos políticos, observavam quem votava contra a Articulação, com quem andava e quem eram os amigos (uma vez alguém me disse: “Cuidado com fulano, ele é comunista. Não ande com ele”).

Os profetas modernos instrumentalizavam a estupidez dos seguidores. Eram estes, os que faziam o jogo sujo: espionar, caluniar, denunciar. A vítima passava a ser tratada como uma espécie de criminoso político, um traidor. Talvez os líderes, não acreditassem nestas baboseiras, mas não tinham pudor em apoiar tais práticas, desde que correspondessem aos seus interesses políticos. Havia até quem calasse, mas apoiava os acusadores.

Houve também um tempo em que a delação, feita em nome da ética, da moralidade e da legalidade, até pareceu simpática. Na organização burocrática, o delator se apega às filigranas da legalidade para destruir o outro. Além dos dividendos políticos, este recurso resultar na própria exclusão do oponente da organização. Tal prática atinge as idéias e o indivíduo, suas relações pessoais, familiares etc., extrapolando o campo da luta política.

Do ponto de vista da moral – argumento precioso para o delator – tal recurso não deixa o acusador em melhor situação que o acusado. Na verdade, na ânsia de destruir o oponente, o puritano não atenta para a baixeza do seu procedimento; não toma em conta a essência da situação; desconsidera os fatores que levam a pessoa a se insurgir contra a legalidade instituída; não questiona a própria legalidade, como se isto fosse um detalhe sem importância. O alcagüete, quando lhe interessa, adota um discurso de esquerda, antiburocrático e até mesmo questionador do legalismo.

O que está em jogo é a utilização da organização como meio, o controle de determinados cargos ou posições na estrutura burocrática que garantem o uso dos recursos e privilégios e atendem à sofreguidão dos que ocupam a vida em buscar o poder – ainda que adotem a retórica que nega o poder. O dedo-duro almeja passar por paladino da justiça. Eis como a delação assume a auréola da defesa da legalidade e é utilizada como arma que ultrapassa a política.

Mudam os meios, permanecem os fins. O maniqueísta não percebe os demônios que habitam entre nós, nem que, muitas vezes, intentando o bem, fazem o mal. Vale a pena ler Dostoiévski.

__________
* Publicado originalmente em http://antoniozai.blog.uol.com.br, 13.01.2007.
Anúncios

"O Amante”, de Marguerite Duras

01/09/2007

A releitura de O Amante, obra clássica de Marguerite Duras, evidencia novos aspectos. Agora o “olhar” do leitor percorre o texto amparado numa chave interpretativa pós-colonialista.

A relação da “moça branca” com o amante chinês expressa situações que, a meu ver, são passíveis de universalização, considerando-se as dificuldades presentes – por exemplo, a idade da moça, as diferenças econômicas e a caracterização como prostituição etc. As reações do “amante” – fraqueza, choro, paixão e dependência da moça, etc. – não são especificidades determinadas pelo caráter colonialista que envolve os personagens. Tais sentimentos são próprios de qualquer ser humano. Isto pode parecer óbvio, mas foram aspectos que tive que observar devido à “chave interpretativa” que guiou o meu “olhar”.

Nesta releitura, observei aspectos que caracterizam valores e atitudes preconceituosas e colonialistas na relação da “moça branca” e sua família com o “homem chinês” e os nativos da Indochina, à época sob domínio francês. A certa altura do seu relato, a narradora se refere à sua infância, sob “o sol intenso” e em condições de miséria. Mas trata-se de uma miséria diferente das dos nativos:
“… não passávamos fome, éramos crianças brancas, tínhamos vergonha, vendíamos nossos móveis, mas não passávamos fome, tínhamos um empregado e comíamos porcaria, galinholas, filhotes de caimão, mas essas porcarias eram preparadas por um empregado, servidas por ele e às vezes recusadas por nós, podíamos dar-nos ao luxo de não querer comer” (p. 10).

Não fosse a referencia à cor, “éramos crianças brancas”, tal relato apenas demonstra um certo sentimento próprio do ser humano, embora possa ser condenável. Refiro-me à necessidade que alguns seres humanos têm em se sentirem superiores, ainda que sua situação econômica não o permita. É uma superioridade frágil, que se sustenta apenas pela vaidade e narcisismo.

Em O Amante, a referência à cor branca não é mero acidente lingüístico. Neste caso, a cor é um diferencial a mais para refletirmos sobre o sentimento de superioridade. É interessante como a “moça branca” e sua família tratam o “homem chinês”. Ela se encontra praticamente no papel de prostituta e sua família se beneficia dessa relação diante do amante rico. Contudo, se colocam, por serem brancos, europeus e colonialistas, como hierarquicamente superiores. Isto também expressa a distinção entre o nativo e o colonizador.

A inferiorização dos indivíduos é também um dos principais fatores para a manutenção do domínio colonial. O racismo termina por justificar a dominação econômica e colonialista. Mesmo o fato do “homem chinês” ser rico não supera a concepção eurocêntrica e racista da moça branca e sua família.

__________
* DURAS, Marguerite. O Amante. São Paulo: Circulo do Livro, s.d.
Publicado originalmente em http://antoniozai.blog.uol.com.br, em 10.11.2006.