Parque Industrial, de Patrícia Galvão (Pagu)

Fonte:

Revista EntreLivros
Ano 2, Nº 22, fevereiro de 2007, p. 13.

“A musa proletária

Na época em que se faziam manifestos e movimentos literários também havia as musas, e a jornalista e escritora Patrícia Galvão, a Pagu (1910-1962), foi uma delas. A jovem preocupada com vanguardas artísticas, colaboradora da Revista de Antropofagia, também fez política nos anos modernistas. Foi militante comunista, presa e torturada algumas vezes, e entre outras proezas publicou aquele que é considerado o primeiro romance proletário brasileiro, Parque industrial. Esgotado havia anos, acaba de sair pela José Olympio como parte da coleção Sabor Literário.

A obra se destaca mais pelo valor histórico-social do que pelo estético. O romance, hoje, “poderá parecer ingênuo”, como nota o autor da apresentação, o jornalista Geraldo Galvão Ferraz, filho de Pagu. Mas o livro não deixa de envolver o leitor pelo que tem de “generoso e sincero”, diz Ferraz. Quando o lançou, em 1933, a autora usou o pseudônimo Mara Lobo – não somente para evitar a perseguição da polícia, mas também porque sofria restrições dos próprios comunistas devido ao seu passado “pequeno-burguês”. Pagu se esforçou para se adequar à causa: na época de militante, abandonou a família e se tornou operária. A primeira edição, de pequena tiragem, foi financiada por Oswald de Andrade, com quem se casara. As duas reedições posteriores também tiveram tiragens reduzidas.”
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: